domingo, 30 de março de 2008

" O CASTELO " DE FRANZ KAFKA



" Juntamente com O Processo e América, O Castelo forma, na obra de Kafka, aquilo a que Max Brod chamava a «trilogia da solidão».
Estes três romances marcam também os mais altos momentos da criação kafkiana e aquele que ora apresentamos não é certamente dos menos conseguidos.
Hermann Hesse considerava-o mesmo «o mais misterioso e o mais belo dos grandes romances de Kafka».
Toda a acção gira à volta dum misterioso indivíduo, K. de seu nome, que chega a uma aldeia contratado pelo castelo de que esta depende, para nela exercer a sua profissão de agrimensor, e dos seus desesperados esforços para entrar em contacto com o tal Castelo. "
Nesta obra deparamo-nos com uma crítica excepcionalmente inteligente à sociedade em decadência, à burocracia estatal.


O personagem surge como alguém enigmático que não encontra respostas para as suas dúvidas e que empreende uma luta desesperante contra um mundo em silêncio, contra uma autoridade inatingível e indiferente, contra o fenómeno da incomunicabilidade, fenómeno este, tão patente nos dias de hoje.


Esta narrativa foi interrompida abruptamente por seu autor no meio de uma frase. Todavia, e apesar das fortes críticas, o facto de ter sido deixada em aberto a intenção do escritor, proporcionou-me a liberdade para imaginar o seu final e ponderar até que ponto é que não seria o castelo uma divagação do inconsciente de K.!

Sem comentários: