domingo, 13 de abril de 2008


" Narciso já tinha notado a bela ave rara que ali viera arribar. Ele, o solitário e altivo, logo pressentiu em Goldmundo o congénere, apesar de em tudo parecer o seu contrário. Narciso era magro e moreno, Goldmundo radioso e florescente. Narciso era um pensador e um analítico, Goldmundo parecia um sonhador e uma alma ingénua. Mas acima da oposição ligava-os um traço comum: eram ambos seres de escol, distintos dos outros por visíveis sinais e dons, tinham recebido do destino especial premonição. "


Voltara o gelo a derivar rios abaixo, voltaram a rescender as violetas sob a folhagem apodrecida, voltara Goldmundo à vida errante, acompanhando as estações do ano, sorvendo com olhos insaciáveis a paisagem das florestas, dos montes e das nuvens, seguindo de herdade, de terra em terra, de mulher para mulher; ( ... ) "


Hermann Hesse in " Narciso e Goldmundo "

Sem comentários: