quarta-feira, 22 de outubro de 2008

" Era, era ternura o que eu sentia por ti, o que eu sentia correr de ti, e sei lá eu bem, que rio seria aquele que eu via correr pelos teus olhos, quando te olhava e te sentia, aqui, dentro de mim, a correres também para o mar de mágoas que me batiam nas rochas do meu sentir. E era rio ou era mar ? Preciso, meu amor, preciso saber se era rio ou era mar, com que os teus olhos banhavam as praias das minhas mãos estendidas, a quererem dar-te a areia com que modelava corpos de ti, mãos e olhos de ti. Os teus pés, os teus dedos, tudo dançava e atravessava a corrente que corria dos teus olhos, do teu peito. "

José Manuel Arrobas in " A Decadência do Sonho "

Sem comentários: