sábado, 10 de janeiro de 2009

Vou começar hoje a ler ...

" Em Como a Água Que Corre, Marguerite Yourcenar reuniu três novelas escritas na juventude e reformuladas numa época de maturidade literária. Na primeira obra, Anna, Soror ... , surge o tema do incesto, do amor entre irmão e irmã; em Um Homem Obscuro, é traçado o percurso de Natanael, personagem de alma límpida; por fim, em Uma Bela Manhã, o pequeno Lázaro vive não só a sua vida, mas a vida toda, numa companhia de actores ingleses. Em suma, um tríptico onde emerge o requintado talento de uma escritora que foi também, em 1980, a primeira mulher a ingressar na Academia Francesa. "

5 comentários:

Nelida Capela disse...

Fico no aguardo do texto sobre o seu primeiro livro do ano. Bj.

Butterfly disse...

Vou tentar ser breve ! ;)

Bjinhos

Pedro disse...

Já li, de Marguerite Yourcenar, "As Memórias de Adriano".
Como poderás ter reparado (no meu blogue antigo), é dos muitos poucos livros que detestei =P Por isso, ganhei um pequeno ódio a qualquer livro de Yourcenar, tenho medo de voltar a passar pelo sacrifício que passei com esse de Adriano...

Espero sinceramente que gostes do livro. Por cá, (in)felizmente, não será lido.

Butterfly disse...

Pedro, esta é a primeira obra que estou a ler de Yourcenar ... até agora estou a gostar !

Mas sabes que sendo um género literário diferente do romance, acaba por ser mais aberto e permitir que a tua imaginação 'ganhe asas' ao longo das páginas ... não sei porquê mas tenho esta tendência para, sempre que possível, começar pelos contos quando ainda não tenha lido nada de um escritor ! ;)

Dps publico a minha opinião!
Bjinhos

Pedro disse...

Ainda bem que sim ;) Eu prefiro sempre experimentar romances! =P

No caso de Yourcenar, eu utilizo as palavras dela, "foi um livro escrito para si, pessoal". A mim, como leitor, não me atingiu, e chegar até ao fim foi um suplício.

A única coisa boa que aponto: uma exímia e profunda investigação histórica, mas que sinceramente nem me agradou por estar tão em segundo plano.