segunda-feira, 23 de fevereiro de 2009

Li "Mentiras no Divã" e ...

"Mentiras no Divã" é uma história que de forma inteligente aborda a moralidade das terapias e a complexidade das emoções humanas.
Explora a ética profissional nas relações interpessoais paciente-terapeuta, tantas vezes ilusórias para ambas as partes.
Direccionando este romance para os seus colegas de profissão, o psiquiatra Irvin D. Yalom desnuda o lado humano daqueles habituados a ouvir e a orientar, através da exemplificação das suas fraquezas, desejos e pecados.
O autor disseca o relacionamento de três analistas com os seus doentes e revela um olhar ironicamente complexo sobre o que realmente se passa nas suas mentes.
Assim, envolvemo-nos nos enredos de três psicoterapeutas diferentes:
- Seymour Trotter, ex-presidente da Associação Psiquiátrica Americana, envolve-se com uma paciente mais jovem, sendo expulso da referida associação;
- Ernest Lash, preocupado com questões existenciais e contrariando as indicações do seu orientador, arrisca uma nova forma de abordagem psicanalítica, advindo desta experiência consequências simultaneamente imprevisíveis e inesperadas;
- Por último, o vaidoso e falso moralista Marshal Streider que, cego pela ganância e obcecado com a dolce vita dos ricos, cai num belo 'conto do vigário' !

A leitura desta obra revelou-se também muito interessante, se bem que completamente diferente da de "Quando Nietzsche chorou".
Se nesta última encantaram-me as visões filosóficas sobre psicanálise e estados de alma, a sucessão de diálogos construtivos e enriquecedores, tão duros como inteligentes, e a troca de experiências entre filosofia e psicologia, em "Mentiras no Divã" cativaram-me não só o ácido desnudar das fraquezas humanas, mas também o brilhante desenlace desenvolvido por Yalom. De facto, e ao contrário de "Quando Nietzsche chorou" em que o título por si só deslinda logo desde o início o desenrolar do enredo, não constituindo qualquer surpresa a 'rendição final' de Nietzsche, em "Mentiras no Divã" o escritor proporciona ao leitor aquilo que ele quer, mas não da forma como estaria à espera, pressuposto este essencial a qualquer bom epílogo !

2 comentários:

Vera Carvalho Assumpção disse...

O romance "Mentiras no Divã" é excelente e o comentário de Butterfly é excelente. É o som instigante produzido pela alma de uma leitora atenta.

Anónimo disse...

esse livro é maravilhoso!!!!!!!!