sexta-feira, 20 de fevereiro de 2009

Livreiro ... uma figura rara !

" Muitas vezes se diz que já não há livreiros como antigamente. Que são uma espécie em vias de extinção. Que as grandes cadeias acabaram com eles. Que o empregado que nos atendeu não sabe o que está a fazer, etc., etc. De facto, tudo isto é verdade. Mas isto acontece simplesmente porque o livreiro é uma figura rara. Existiram e existem muito poucos livreiros, e sempre foi assim.Se definirmos os livreiros apenas como aqueles que negoceiam em livros, então, existem muitos. Mas se definirmos o livreiro como aquele que gosta, conhece, lê e vende livros, então, existem muito poucos. O livreiro é um autodidacta, não há nenhum curso que o possa formar. Isto é, claro que se pode e deve dar formação a uma pessoa que quer trabalhar numa livraria ou que, enquanto gestor ou empresário, pretende criar uma, no entanto, ser livreiro é outra coisa. Ser livreiro é muito mais do que simplesmente vender livros (para isso existem vários truques), tem de saber dignificá-los, amá-los, conhecer a sua história, saber o interior de muitos, interessar-se por quem os escreve e por que os escreve daquela maneira. Tem de conhecer toda a cadeia do livro, desde que nasce na mão do autor até chegar à mão do leitor, tem de saber vendê-lo honestamente, divulgá-lo, incentivar a leitura, só assim, poderá reivindicar para si um papel importante como agente cultural. "

Texto de opinião da autoria de Jaime Bulhosa

Gostei bastante e revi-me completamente nesta opinião de Jaime Bulhosa !
As suas palavras se por um lado reflectem e como que compreendem claramente a desilusão que sofri há poucos meses atrás, por outro lado, dão-me ânimo para continuar a perseguir o meu sonho e tudo aquilo que com ele se relacione ( o universo dos livros ) !
Faço minha a sua reflexão !

3 comentários:

Projecto /Lê/ disse...

Temos um novo prémio no nosso blog ;)

Butterfly disse...

Projecto / Lê, mais uma vez obrigada pelo carinho ! ;)

Bjinhos

Joana Pinto disse...

Butterfly,gostei muito desta citação de Jaima Bulhosa.Ele sabe mesmo do que fala,pois trabalha neste "universo".
Quanto a mim, também me identifiquei um pouco, mas só um pouco porque vivo neste "universo" há pouco tempo e o meu trabalho acontece num espaço grande,menos familiar do que as antigas livrarias...Ainda assim, senti um espiritozinho...