quarta-feira, 22 de abril de 2009

Os meus versos

" Rasga esses versos que eu te fiz, Amor !
Deita-os ao nada, ao pó, ao esquecimento,
Que a cinza os cubra, que os arraste o vento,
Que a tempestade os leve aonde for !

Rasga-os na mente, se os souberes de cor,
Que volte ao nada o nada de um momento !
Julguei-me grande pelo sentimento,
E pelo orgulho ainda sou maior ! ...

Tanto verso já disse o que eu sonhei !
Tantos penaram já o que eu penei !
Asas que passam, todo o mundo as sente ...

Rasga os meus versos ... Pobre endoidecida !
Como se um grande amor cá nesta vida
Não fosse o mesmo amor de toda a gente ! ..."

Florbela Espanca in "Sonetos"

3 comentários:

K disse...

A mim, apetece-me coleccioná-los... todos

Bj

Flor da palavra disse...

Há sempre pessoas amando e sofrendo assi como nós!
Beijos

Paula disse...

Adoro esse poema de Florbela!

Abraço

P.S. Já viste o tema para a tertúlia de Maio? Achei interessante...