sexta-feira, 15 de maio de 2009

"Havia muito que pensava escrever uma história que tivesse como protagonista a música. É bem sabido que a música pode dar grande ênfase a um texto poético ou teatral, tornando por vezes sublimes versos que de outra forma seriam banais.
( ... )
A música eleva os sentimentos e a própria natureza humana, mas os caminhos que até lá conduzem passam necessariamente pelo estridor, o fragor, a dissonância. Por detrás da música, executada com leveza e perfeição, tal como a podemos escutar na execução requintada de uma orquestra ou de um quarteto de cordas, está o atrito dos nervos que se contraem, o borbotão de sangue, o tumulto dos corações. Surpreendi-me, de súbito, a considerar a minha amada arte a outra luz. Imaginei a infinitude de sons que noite e dia se elevam no mundo inteiro, e ocorreu-me o esforço dessa multidão de indivíduos esparsos por toda a parte, continuando a lutar para manter viva a música ... "

Paolo Maurensig in "O Violinista"

Sem comentários: