sábado, 4 de setembro de 2010

"Mas eu tinha as minhas próprias ideias maradas e não estavam relacionadas com a parte «lunática» de toda esta questão. Queria arranjar um equipamento completo com todas as coisas necessárias para dormir, morar, comer, cozinhar, o que eu queria de facto era uma cozinha e um quarto às costas, e partir para um lado qualquer e achar a solidão perfeita e contemplar o vazio perfeito da minha mente e ser completamente neutro a toda e qualquer ideia. Também tencionava rezar, como única actividade, rezar por todos os seres vivos; achava que era a única actividade decente que nos restava neste mundo. Estar algures na foz de um rio, ou num deserto, ou nas montanhas, ou numa cabana no México ou numa barraca em Adirondack, e repousar e ser afável, e não fazer mais nada, praticar aquilo a que os chineses chamam «fazer nada»."

Jack Kerouac in "Os Vagabundos do Dharma"

Sem comentários: