segunda-feira, 13 de setembro de 2010

Vegetal e Só

"É Outono, desprende-te de mim.

Solta-me os cabelos, potros indomáveis
sem nenhuma melancolia,
sem encontros marcados,
sem cartas a responder.

Deixa-me o braço direito,
o mais ardente dos meus braços,
o mais azul,
o mais feito para voar.

Devolve-me o rosto de um verão
febril de tantos lábios,
sem nenhum rumor de lágrimas
nas pálpebras acesas.

Deixa-me só, vegetal e só,
correndo como um rio de folhas
para a noite onde a mais bela aventura
se escreve exactamente sem nenhuma letra."

Eugénio de Andrade in "As Palavras Interditas"

domingo, 5 de setembro de 2010

Li "Os Vagabundos do Dharma" de Jack Kerouac e ...

"Os Vagabundos do Dharma" conta a história de uma busca pela verdade e pela iluminação. Uma busca do caminho do Zen.
O protagonista, Ray Smith, é um aspirante a escritor de São Francisco que anseia por algo mais na vida. Esse algo mais será apresentado a ele por Japhy Rider - um jovem zen-budista adepto do montanhismo que vive com um mínimo de dinheiro, alheio à sociedade de consumo norte-americana.

Adorei este livro por várias razões, sendo que a principal baseia-se na minha identificação com as diversas abordagens de Kerouac ao longo da narrativa.
Assim ...

- Achei engraçado o nome dos maiores de todos os vagabundos do dharma ser "Os Lunáticos Zen da China e do Japão" ! ;)

- Interessei-me pela história de Han Shan, um erudito chinês que se fartou da grande cidade e do mundo e se refugiou nas montanhas. Era um poeta, um montanhista, um budista dedicado ao princípio da meditação sobre a essência de todas as coisas.

- Fiquei com curiosidade em conhecer o famoso jardim Ryoanji, um jardim de pedra no mosteiro de Shokokuji em Quioto, que não tem mais nada senão velhos pedregulhos dispostos de uma certa maneira, que pretende ser misticamente estética e que faz milhares de turistas e monges viajarem todos os anos para ficarem especados a olhar para os pedregulhos na areia, obtendo com isso paz de espírito.

- Encantei-me com as mandalas mágicas ( invenções tibetanas ) e com os haikus que têm de ser tão simples como papas de aveia. ;)

- Considerei bastante interessante o conceito de meditação dos trilhos, segundo o qual limitamo-nos a andar a olhar para o trilho aos nossos pés, não desviamos o olhar e mergulhamos num transe enquanto o chão passa por debaixo de nós. Ora aqui está algo que irei tentar colocar em prática ... ;)

- E, finalmente, deliciei-me com as belíssimas descrições da Montanha Hozomeen.

Enfim, posso afirmar que esta é uma obra à altura de "On the Road", e na qual é bastante notório o interesse de Kerouac pelas filosofias orientais.

( 37º livro lido em 2010 ... 7484 páginas lidas )

sábado, 4 de setembro de 2010

"Mas eu tinha as minhas próprias ideias maradas e não estavam relacionadas com a parte «lunática» de toda esta questão. Queria arranjar um equipamento completo com todas as coisas necessárias para dormir, morar, comer, cozinhar, o que eu queria de facto era uma cozinha e um quarto às costas, e partir para um lado qualquer e achar a solidão perfeita e contemplar o vazio perfeito da minha mente e ser completamente neutro a toda e qualquer ideia. Também tencionava rezar, como única actividade, rezar por todos os seres vivos; achava que era a única actividade decente que nos restava neste mundo. Estar algures na foz de um rio, ou num deserto, ou nas montanhas, ou numa cabana no México ou numa barraca em Adirondack, e repousar e ser afável, e não fazer mais nada, praticar aquilo a que os chineses chamam «fazer nada»."

Jack Kerouac in "Os Vagabundos do Dharma"
" - Quero andar de bicicleta no calor da tarde quente, calçar sandálias de couro paquistanesas, gritar em voz alta aos meus amigos monges Zen, vestidos com leves túnicas de cânhamo e cabeças rapadas, quero viver em templos de pavilhões dourados, despedir-me, ir para Yokohama, o grande porto azafamado da Ásia, cheio de batéis e bagatelas, ter esperança, trabalhar por ali, voltar, partir, partir para o Japão, voltar para os EUA, ler Hakuin, ranger os dentes e disciplinar-me a toda a hora sem chegar a lado nenhum e assim aprender ... aprender que o meu corpo e tudo o mais fica cansado e doente e prostrado e assim descobrir tudo sobre Hakuyu."

Jack Kerouac in "Os Vagabundos do Dharma"

quarta-feira, 1 de setembro de 2010

Em movimento

" Uma mulher em movimento é uma mulher interessante. Ela tem sempre imensas coisas para fazer, e, quando não tem, inventa. Ela tem amigas com quem almoça todas as semanas, dois ou três amigos de grande confiança e acima de qualquer suspeita com quem vai jantar uma vez por mês, ela trabalha, ela vai à ginástica, ela vai ao cabeleireiro, ela tira cursos de teatro, de comida oriental e de linguagem gestual, tudo isto enquanto deixa os filhos na natação, ela gosta de ir ao teatro, ela vai a exposições, numa palavra, ela tem vida própria.
As mulheres em movimento são mais difíceis de controlar, porque mudam de interesses com facilidade: hoje querem aprender krav-magga, amanhã interessam-se por pintura a óleo. Mas têm uma enorme qualidade: estão sempre ocupadas. E quando têm tempo para um homem é porque ele é mesmo importante. Senão, tinham mais que fazer.
Por outro lado, uma mulher em movimento aguça a concentração masculina. O simples facto de um homem não saber o que é que ela poderá estar a fazer naquele exacto momento - pode estar numa aula de ioga, nos saldos com as amigas ou em casa a ler um livro - faz com que ele a valorize. Porquê ? Porque sente que não a tem na mão, mesmo que se trate de uma namorada devota ou de uma mulher fiel. A ideia de as mulheres terem a sua vida é algo que fascina os homens ao mesmo tempo que os assusta. Os mais corajosos aceitam o desafio, enchem o peito de ar e dão o seu melhor. Os mais comodistas optam por uma sossegadinha, daquelas que organizam a vida em função dos interesses do seu par e que estão sempre em casa à espera que ele volte, com um prato de comida quente e um sorriso submisso.
A mulher quieta até pode ser a dona de casa modelar e a mãe ideal para os filhos, mas tanta simplicidade cansa ... A não ser que este seja do género paz-de-alma ou já tenha literalmente encostado às boxes, uma mulher quieta pode tornar-se uma grande maçada."

Margarida Rebelo Pinto in "Onde reside o amor"