domingo, 26 de dezembro de 2010

"Existem dois modos distintos de ler os autores: um deles é muito bom e útil, o outro, inútil e até mesmo perigoso. É muito útil ler quando se medita sobre o que é lido; quando se procura, pelo esforço da mente, resolver as questões que os títulos dos capítulos propõem, mesmo antes de se começar a lê-los; quando se ordenam e compararam as ideias umas com as outras; em suma, quando se usa a razão. Ao contrário, é inútil ler quando não entendemos o que lemos, e perigoso ler e formar conceitos daquilo que lemos quando não examinamos suficientemente o que foi lido para julgar com cuidado, sobretudo se temos memória bastante para reter os conceitos firmados e imprudência bastante para concordar com eles. O primeiro modo de ler ilumina e fortifica a mente, aumentando o seu entendimento. O segundo diminui o entendimento e gradualmente torna-o fraco, obscuro e confuso. Acontece que a maior parte daqueles que se vangloriam de conhecer as opiniões dos outros estuda apenas do segundo modo. Quanto mais lêem, portanto, mais fracas e mais confusas se tornam as suas mentes."

Malebranche (1674)

sábado, 25 de dezembro de 2010

Uma sugestão de leitura ...

"A Serra de Sintra é um lugar mágico ...

E como todos os lugares mágicos, está repleto de histórias fantásticas !

Seres misteriosos habitam as suas profundezas, deixando correr na voz do vento o murmúrio da sua existência ...

Feitos valorosos tiveram lugar nestes montes: Os Montes da Lua !

Mouras encantadas ainda choram na escuridão dos seus bosques, esperando a vinda de belos cavaleiros para as salvarem das suas masmorras ... Dragões e Fadas protegem as suas terras, em lutas intermináveis contra Demónios das Trevas ...

Criaturas fantásticas como as Nereides, são aqui transformadas em Ninfas, para habitar o mundo mágico dos Montes da Lua e, nos contarem as suas histórias.

"Sintra Mágica" de Vera Cardoso Chumbinho

sábado, 11 de dezembro de 2010

"Os leitores podem ser divididos em três classes: o superficial, o ignorante e o erudito. Quanto a mim, adapto a minha pena com muita felicidade em prol do génio e das vantagens de cada um. O leitor superficial será curiosamente levado a gargalhar, o que limpa o peito e os pulmões, combate o mau humor e é o mais inocente dos diuréticos. O leitor ignorante ( cuja diferença do primeiro é extremamente subtil ) vai-se descobrir inclinado a olhar fixamente, o que é um remédio admirável para os olhos cansados, serve para elevar e avivar o espírito, e ajuda de maneira maravilhosa na transpiração. Mas o leitor verdadeiramente erudito, aquele para cujo benefício permaneço acordado enquanto os outros dormem, e adormeço quando eles acordam, encontrará aqui material suficiente para exercitar as suas faculdades especulativas para o resto da vida."

Jonathan Swift ( 1702 )