sexta-feira, 20 de maio de 2011

"Peguei no cesto dela e continuámos, e os seus passos soavam em uníssono com os meus, a sua alegria harmonizava com a minha, e a floresta murmurava delicada e fresca pelos montes abaixo. Eu nunca sentira tanto prazer em caminhar. Durante um longo pedaço cantei cheio de alegria, até que tive de parar, de tão transbordante plenitude: eram coisas demasiadas as que o vale e o monte, as ervas, as folhas e os arbustos me sussurravam e murmuravam.
E considerei então: se conseguisse abarcar e cantar todas estas canções ao mesmo tempo, as das ervas e das flores, as das pessoas e das nuvens, e de tudo, a floresta e o pinhal, e também as de todos os animais, e ainda todas as canções dos mares longínquos e montanhas, das estrelas e Lua, e se em mim tudo pudesse ecoar e cantar a um só tempo, eu seria então o próprio Deus, e todas as novas canções teriam de ficar no céu como uma nova estrela."

Hermann Hesse in "Sonho para uma flauta"

Sem comentários: