domingo, 22 de maio de 2011

"Sucedeu então, certa noite, ao celebrar-se a Festa das Luzes, que Han Fook deambulava sozinho, pela outra margem do rio. Encostou-se ao tronco de uma árvore pendente sobre a água e, reflectidas no rio, viu mil luzes sobrenadando lucilantes, e em cima dos barcos e jangadas viu homens e mulheres, e jovens donzelas cumprimentando-se mutuamente, em vestes festivas, brilhando como flores vistosas; escutou o leve rumorejar das águas iluminadas, o canto das raparigas, os acordes das cítaras e a doce melodia dos tocadores de flauta, e, por sobre todos, viu a noite azulada, pairando como a cúpula de um templo. O coração do jovem pulsava de contemplar aquela imensa beleza, ao sabor dos seus impulsos, como espectador solitário."

Hermann Hesse in "O Poeta"

Sem comentários: