sábado, 2 de julho de 2011

"Então Almitra disse,
Fala-nos do Amor.

E ele ergueu a cabeça e olhou para o povo e caiu uma grande
imobilidade sobre eles. E em voz poderosa ele disse:

Quando o amor vier ter convosco,
segui-o,
embora os seus caminhos sejam árduos e sinuosos.
E quando as suas asas vos envolverem,
abraçai-o,
embora a espada oculta sob as asas vos possa ferir.
E quando ele falar convosco,
acreditai,
embora a sua voz possa abalar os vossos sonhos
como o vento do norte devasta o jardim.
( ... )

Mesmo que ele suba até vós
e acaricie os mais ternos ramos que tremem ao sol,
também até às raízes ele descerá e abaná-las-á
Enquanto elas se agarram à terra.
( ... )

O amor só se dá a si e não tira nada senão de si.
O amor não possui nem é possuído;
pois o amor basta-se a si próprio."

Kahlil Gibran in "O Profeta"

Sem comentários: