quarta-feira, 6 de junho de 2012

Primeira Variação Goldbeat

"Os teus dedos batem nas teclas sem parar. Não sentes
como deixas a porta aberta, a mochila no chão, a música
no ar. As notas brincam docemente e explodem no perímetro
urbano da sala. A velocidade dos teus dedos modificou
os circuitos cerebrais, o cerebelo cresce a 800 notas
por minuto e os meus dedos nas teclas do computador batem
a uma frequência indigna dos teus dedos. As células
do ouvido interno movem-se como 3000 pestanas
entre o sono e a vontade de vigília: sim, tocas entre
o que te resiste e a velocidade da luz. As notas são apenas
energia e nem preciso de uma ressonância magnética
para ver os teus neurónios activados com as notas suspensas
no tecto, vibrando nas cordas do coração com que te ouço.
Ela entra agora no poema, pousa um beijo suave
no teu pescoço e o beijo parte a velocidade supersónica
até ao cérebro primitivo. A amígdala cerebral responde
que não tarda muito a estarem enroladinhos na cama.
Mais um beijo, antes das tuas mãos regressarem à pauta
com os neurónios cintilando sinapses pelas teclas.
Ela entra na nudez do teu quarto e as notas apressam-se
a aquecer o branco dos lençóis. A seguir, entras tu
em notas fulvas e vivazes, lentas quando se prolongam
em uníssono, e eu continuo a escrever este poema,
meu hipotálamo adora o chocolate
que se derrete na boca e, pouco a pouco,
a música dos meus versos enche a página do ecrã."

Rosa Alice Branco  [1950]

Sem comentários: