domingo, 3 de fevereiro de 2013

"A espécie humana tem tanto de musical como de verbal. E essa predisposição para a música pode assumir muitas e diferentes formas. Todos nós (com raras excepções) somos capazes de apreender a música, de apreender sons, timbres, distâncias entre tons, contornos melódicos, harmonias e (talvez de forma mais elementar) ritmos. Integramos todos esses elementos e «construimos» mentalmente a música, usando para isso diferentes partes do cérebro. E a esta capacidade estrutural - em grande parte inconsciente - para apreciar a música acrescenta-se amiúde uma profunda e intensa reacção emocional à música. «A inexprimível profundidade da música», escreveu Schopenhauer, «tão fácil de compreender e tão inexplicável, deve-se ao facto de reproduzir todas as nossas mais fundas emoções, mas desligadas da realidade e das suas dores. [...] A música exprime apenas a quitessência da vida e dos seus acontecimentos, e nunca os acontecimentos em si.»"
 
Oliver Sacks  em "Musicofilia"

Sem comentários: